CUT TO > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > MILHÕES DE PESSOAS NÃO CONSEGUIRÃO SE APOSENTAR, SE REFORMA FOR APROVADA. MAS, APOSENTADORIA MILIONÁRIA DE TEMER NÃO SERÁ MEXIDA

Milhões de pessoas não conseguirão se aposentar, se reforma for aprovada. Mas, aposentadoria milionária de Temer não será mexida

12/12/2017

Se a Câmara dos Deputados aprovar reforma da Previdência, as trabalhadoras e os trabalhadores do campo e da cidade vão trabalhar mais e ganhar menos. Milhões não conseguirão se aposentar

Escrito por: Marize Muniz

Se a Câmara dos Deputados aprovar a nova proposta de reforma da Previdência, as trabalhadoras e os trabalhadores do campo e da cidade vão trabalhar mais e ganhar menos. Se quiserem receber o valor integral do benefício, terão de contribuir para o INSS durante 40 anos.

As mudanças das regras na Previdência, com a imposição de idade mínima de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres e, no mínimo, 15 anos de contribuição, aliadas à reforma Trabalhista - que já está em vigor e está gerando emprego de má qualidade, subemprego e aumento da informalidade - vão praticamente acabar com as chances de milhões de brasileiros se aposentarem.

Nos rádios e nas TVs, o governo gastou milhões de reais em propagandas tentando convencer a população que a reforma da Previdência vai cortar privilégios. O que eles não dizem é que os privilegiados estão no Palácio do Planalto e as aposentadorias milionárias deles não serão mexidas, gastando o dinheiro do povo para, vejam a ironia, tirar a aposentadoria dos trabalhadores e das trabalhadoras do campo e da cidade.

O golpista e ilegítimo Michel Temer (PMDB-SP), por exemplo, se aposentou aos 55 anos como procurador do Estado de São Paulo e recebe R$ 45 mil por mês de benefício. Já Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil, se aposentou mais cedo ainda, aos 52 anos, e recebe R$ 19,3 mil por ter sido prefeito e deputado do Instituto de Previdência dos Congressistas mais benefício de R$ 2.700 do INSS.

 “O ilegítimo e corrupto Temer não quer cortar privilégios como os de sua própria aposentadoria, o que ele quer é, novamente, atacar o direito da classe trabalhadora”, diz o presidente da CUT, Vagner Freitas.

Não se deixe enganar, se informe sobre o que vai acontecer se a nova proposta de reforma da Previdência de Temer for aprovada.

Confira as principais perdas

Perda no valor da aposentadoria

A nova proposta vai diminuir o valor a ser pago aos trabalhadores em praticamente todas as faixas. Mesmo quem conseguir atingir a idade mínima imposta na nova proposta, mas contribuir, por exemplo, apenas 15 anos, que é o tempo mínimo exigido, vai receber apenas um benefício parcial, de apenas 60% da média de todas as suas contribuições. Se contribuir por 20 anos, receberá 65% da média salarial; se contribuir 25 anos, receberá 70%; se contribuir 30 anos, receberá 77,5%; se contribuir 35 anos, receberá 87,5% da média salarial  

Para receber 100% do valor do salário benefício terá de trabalhar e contribuir sem falhar nenhum mês durante 40 anos.

E, para quem ganha acima do piso, que é um salário mínimo, a situação será ainda maior.  

Atualmente, segundo estudo do Dieese em parceria com a Anfip, há cerca de 47,9 milhões de pessoas que têm salários próximos do salário mínimo. Desse total, 23,1 milhões são beneficiários do INSS.

Essa é a parcela da população mais pobre, mais vulnerável, com poucas oportunidades de emprego decente e bem remunerado, além de ser a que tem mais dificuldade de trabalhar mais tempo com carteira assinada e com a garantia do pagamento em dia do INSS.

Por tudo isso, esses trabalhadores e trabalhadoras têm dificuldade de se aposentar por tempo de contribuição, se aposentam por idade e recebem, em média, um salário mínimo.

Hoje, a maior parte das aposentadorias – cerca de 10 milhões - ocorre por idade.

Fim aposentadoria por tempo contribuição

Hoje, 5,4 milhões dos benefícios concedidos são de trabalhadores que se aposentaram por tempo de contribuição. A proposta de Temer acaba com essa modalidade de aposentadoria.  

Após o período de transição das velhas para as novas regras previsto no projeto, que vai de 2018 a 2042, apenas quem atingir a idade mínima (65 anos, homem, e 62, mulher) conseguirá se aposentar no Brasil. Quando mudar a expectativa de vida, essa idade deve aumentar ainda mais.

Receber aposentadoria integral vai ser como ganhar na megassena

Um homem com 55 anos de idade e 33 anos de contribuição, por exemplo, precisaria, com as regras atuais, de mais dois anos para ter o direito de se aposentar por tempo de contribuição.

Para receber o benefício integral com a fórmula 85-95 - modalidade instituída no governo da presidenta eleita legitimamente, Dilma Rousseff - teria de trabalhar mais 3,5 anos.

Já com a nova regra proposta por Temer, após o período de transição, este mesmo homem só poderá se aposentar com 65 anos e, para receber o valor integral, terá de ter contribuído por 40 anos.

Regras servidores públicos

Os servidores públicos também entraram na mira do ilegítimo Temer. O tempo mínimo de contribuição para que os servidores tenham direito à aposentadoria será de 25 anos, com o valor correspondente a 70% da média salarial.

As regras atuais possibilitam aos servidores públicos que entraram em 2012 o direito de receber até o valor integral de seu salário. Com as regras previstas na proposta reciclada do governo, para o servidor/a atingir o valor integral, que passará a ser o teto do INSS, de R$ 5.531,31 -, terá de contribuir por 40 anos.

Saiba mais:
Governo golpista quer acabar com aposentadoria dos professores
Temer acaba com a aposentadoria do assalariado rural
Governo Temer mente sobre aposentadoria dos agricultores familiares
Temer ataca até as viúvas: com reforma, elas receberão menos
Texto final da Reforma da Previdência pode ser ainda pior

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT

Copyright © 2013 CUT Central Única dos Trabalhadores - TO
Quadra 103 Norte, Alameda NO 11, Lote 11, Plano Diretor Norte - Palmas/TO - CEP 77001-036 - Tel.: (55 63) 3225-6040